terça-feira, 28 de julho de 2009

Em função dessa vontade enorme de viver que se quedou sobre mim.






Pois bem! Depois de alguns coisantes de ostracismo estamos cá vermelhescendo outra vez...






Descobri que os grilos da minha cabeça serão todos comidos junto com todo o resto destinado aos vermes.






Eh... Isso não foi muito simpático...




Então recomecemos...




Eu assim do nada... Percebi que a morte, caminha pelo ar descaradamente. Ela é cínica... Passeia pela nossa família, entre nossos amigos, escolhe a vítima ... Nem se importa se ela, a vítima, amou tanto quanto deveria, se viu estrelas enquanto abraçava alguém, se escreveu poemas, se rabiscou seu nome em uma árvore, se brigou com o pai, se mandou alguém ir tomar onde o sol não bate, se teve um orgasmo digno, se contou todas as suas piadas, se falou todas as suas besteiras, se bebeu aquele vinho guardado, se falou pra pessoa que mora o lado os sonhos eróticos que tem com ela, se rogou todas as suas pragas, se abraçou seus amigos ou se se deu de todas as formas possíveis quando acreditou que deveria ser assim, se conseguiu fazer aquela coisa que sempre teve em mente mas sempre morria de vergonha de contar, se cortou as unhas, se estava usando uma roupa íntima digna e sem rasgos, se foi cruel ou bondoso, se assinou seu último projeto ou se deu um só grito que seja de libertação, se teve coragem e disposição para postar mais uma vez naquele blog abandonado... É queridos... Ela não pensa em nada disso.




Ela nem é besta de ficar se perdendo em questionamentos sem fim como nós, mortais.



Ela, essa entidade que nada discrimina, tá pouco se lixando se você teve coragem suficiente pra dizer pra aquele seu amor que insiste em lhe considerar como uma amizade preciosa (na melhor das hipóteses) que você pouco se importa com as cores que ele ou ela pinta seu próprio dia, desde que você, pobre diabo, possa ouvir o som saindo dos seus lábios. Ela não se importa...

E cá estamos nós perdendo horas preciosas... Eu postando toda essa coisa fluindo dentro de mim e você se esforçando em ler e achar qualquer sentido nisso tudo... Enquanto deveríamos estar rogando nossas pragas, excedendo nossos limites, sendo bons ou maus conforme nosso melhor entender, não apenas desejando mas cuspindo pra fora, lavando o mundo nessa gosmenta saliva que deixamos acumular na nossa boca enquanto o mundo gira.



Pois bem! Estou cá vermelhescendo outra vez. Perdoe-me acaso pareça rude, mas não pedirei mais desculpas se não tiver sido nada além de verdadeira. Aliás, não me perdoe.


Registro aqui, nessa postagem, a minha indignação por todos os questionamentos melosos das postagens anteriores... Vermelhecer é algo mais digno.



Abraços atordoantes a todos e até jajá.